Cultivos - Kappaphycus alvarezii

Nossos produtos são extraídos de algas marinhas cultivadas em todo território nacional, principalmente no litoral sul do Rio de Janeiro. Dentre eles podemos destacar a CarragenaKappa, utilizada em grande escala na indústria alimentícia, cosméticos, oral care, emulsões industriais, entre outras.Kappaphycus alvarezii é uma alga vermelha (Rhodophyta) cultivada em diversos países tropicais como fonte de matéria prima para a produção de kapa carragenana (polissacarídeo sulfatado), usado como agente estabilizante, gelatinizante, espessante e emulsificante (1,2,3). Devido ao crescimento dos mercados, a demanda mundial desta matéria prima vem crescendo a uma taxa anual superior a 5%, gerando postos de trabalho e renda para cerca de 50 mil famílias (2,4). No Brasil a produção de kapa carragenana é incipiente e provem da explotação de bancos naturais de Hypnea musciformis na Região Nordeste e, do cultivo de Kappaphycus alvarezii na Região Sudeste (1,5,6). Por este motivo, as algas Eucheuma e Kappaphycus foram introduzidas em nosso país, sob a argumentação de que a colheita de H. musciformis em bancos naturais é insuficiente para suprir a demanda nacional, além de ser uma espécie de difícil adaptação às tecnologias de cultivo (5). O presente trabalho descreve o sistema de produção em escala industrial e o programa de monitoramento ambiental sobre a influência do cultivo de Kappaphycus alvarezii, como subsídio à avaliação do impacto ambiental da maricultura desta alga exótica.

Um aspecto relevante a ser considerado sobre o cultivo da macroalga exótica Kappaphycus alvarezii consiste na insustentável explotação, induzida pelacrescente demanda de carragena, sobre bancos naturais de espécies nativas. Por outro lado é incontestável o risco de se incentivar o cultivo sem perscrutar os potencias riscos inerentes à interação desta espécie com o ecossistema local. A instalação de redes de proteção utilizadas no Estado do Rio de Janeiro consiste em uma poderosa ferramenta para mitigar a ação da herbivoria sobre as balsas de cultivo e da dispersão das algas.

Pretende-se com os estudos (alguns já em andamento), se certificar do potencial de dispersão e conseqüentes danos ambientais, além de estudos sobre os efeitos de fatores ambientais no crescimento das três variantes deste clone, que fornecerão informações necessárias para a análise da sua capacidade de dispersão, além de subsídios para a sua erradicação. Outro ponto importante é que os resultados obtidos irão auxiliar no melhoramento da maricultura desta espécie.